sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Sobre homens e elásticos.



Inesperadamente, ele precisa de um tempo sozinho. Mal sabe se irá retornar, ou quando - não o limite, ele pede. Pressionar é espremer o homem ainda mais pra dentro da própria caverna, solitário e longe de qualquer contato do objeto de paixão feminina. Chega de intimidade, o cavalheiro do escudo reluzente precisa marcar um reencontro com ele mesmo. Era meio descrente dessa teoria de que homens são de um planeja e mulheres, de outro, mas John Gray está certíssimo quando descreve o quadro de um cara que precisa se afastar, tão quase dentro do mundo da guria está. Feito elástico, quando os homens batem retirada, precisam saltar até uma certa distância antes de saltar de volta.

Estava tudo bem. Ele te chamava de linda, enquanto você deitava a cabeça no melhor colo do mundo. Andavam de mãos dadas pelos supermercados, riam juntos no carro, aquela emoção contínua. Uma cara feia sua, e pronto: emburrado, não quer mais conversar com você. Caso a moça insista, chore, berre e esperneie, é pior - ele precisa de espaço, fato de difícil aprendizado e compreensão pelo time feminino. Foge, tampa os ouvidos, largas opiniões ásperas antes nunca reveladas. A briga apenas aumenta, pois enquanto ele vai atrás de solidão, autonomia e paz, a mulher corre atrás querendo saber o que fez, quando, por que ele está assim, quando vai melhorar e se irá. Meu conselho: deixe. Difícil, claro, e dói ficar longe e ter que ficar se policiando, mas surte efeito. É natural do homem esse hot'n'cold de se afastar para voltar pro relacionamento com uma identidade própria, revigorado e tendo noção de como é grande o tal amor por você.

Enquanto ele se resguarda na própria caverna, fica quietinho contabilizando acertos, erros e visualizando soluções e caminhos pra um futuro feliz, é bom se manter ocupada. Bacana refrescar a mente, passear bastante, arrumar um armário, cozinhar, fazer compras, desenhar, escrever (o que for que valha e tire do tédio e livre dos pensamentos repetitivos que suicidam esse respeito e espaço que os marcianos merecem ter). Desabafar com amigas é necessário, espraiar o pensamento, possível. São dias de tortura interna em que uma SMS, uma ligação, uma mensagem no Mural já destroem a ordem e o progresso de uma fase essencial em todo relacionamento, ao menos uma vez na vida. Não é uma decisão, está longe de ser escolha, pode ser mesmo instinto puro: como ciclo natural e nossa TPM, simplesmente acontece.

Poucas sabem que, quando ele pode se afastar verdadeiramente sem preocupação ou sentimento de culpa, é justamente nesse ponto que o rapaz começa a ver o quão forte é aquele amor, como é verdadeira a vontade de estar perto, impossível viver sem. Ao puxar um elástico ao máximo, esticado, fica sem ter muito pra onde correr (e é nesse ponto que começa seu caminho de volta). Esticado tão pra longe que nem você sabe mais onde poderia se encontrar o lindo, aos pouquinhos o caminho vai se tornando inverso: em slowmotion, aos pouquinhos e com muito cuidado, o macho vai tornando ao lar, exatamente do ponto de onde parou, sem readaptação nem festejos. Uns dias longe, umas horas sozinho, uma semana viajando, e um namorado, marido, namorido novo quase que em folha (ou látex): a atitude, antes de desdém ou indiferença volta quase ao começo da paixão, aquele estado em que o setor amoroso volta a figurar entre os primeiros no quesito "importância". 

A gente demora para perceber, mas quanto mais comprimimos o boy na nossa rotina e noa fazemos presentes, menos ele faz por si só, se doa.  Com fundamento: aos poucos, começa a ficar com medo de tanto convívio. Portanto: se afastem caso queiram, meninos. Apenas nos assegurem a volta, mantenham os batimentos dos nossos frágeis coraçõezinhos em ritmo normal, e não acelerado. Nos tranquilizem de que tudo ficará bem no final e a intenção de vosmecês é continuar ao nosso ladinho. Liga feminina das mulheres desesperadas unidas agradece.

O texto que você acabou de ler é da Camila Paier. Um dia desses meio chateada na internet, vendo coisas só por ver, só para passar o tempo eu achei o blog dela e li esse texto, e aí minha amiga, foi que eu enxerguei o que estava acontecendo... Por que? Estava nessa mesma situação, aquela coisa que acontece sempre, pode ser com o homem ou com a mulher. A gente acaba esquecendo do "nosso" espaço e do espaço do outro o que faz tudo ficar muito monótomo, chato, sem graça. Talvez por instinto, não sei, o homem é quem percebe isso primeiro, se cansa, quer jogar tudo para o alto... Afinal para ele é "muita responsabilidade". E nós mulheres como ficamos? Confusas, tristes, engordando comendo chocolate... pois é colega, vamos mudar esse jogo! Deixa ele, dar todo o espaço do mundo. Ele vai sentir falta e quando voltar, vai voltar cheio de carinho.
 

Deixo hoje, para vocês mulheres, apenas esse texto. Vocês que como eu tem um relacionamento sério e que com certeza... se não passou, vai passar por isso. 

Beijos, Drika :3

2 comentários:

  1. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir
  2. preciso entrar em contato com você.. como faço? 67 98142072
    me chama no whats?

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita.
Se sinta a vontade para criticar, porém exijo respeito.
Se também tiver um blog, deixe o link para que eu possa retribuir a visita.

PS. Não quero números de seguidores, nem números de comentários. Eu quero pessoas que gostem realmente do meu blog. Então se você está aqui só para ser mais um seguidor e para eu seguir de volta, desista.

Beijos e volte sempre! :)